Criatividade e valentia sustentam as editoras negras do Brasil

194 anos depois de Maria Firmina, escritoras negras seguem cavando espaços no mercado editorial
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Escritoras brasileiras:criatividade e valentia

194 anos depois de Maria Firmina, escritoras negras seguem cavando espaços no mercado editorial

No dia em que o Google lembra os 194 anos de Maria Firmina dos Reis, mulher negra e primeira romancista do Brasil, é importante relembrar que até os dias de hoje o mercado editorial não reconhece o potencial da mulher negra no mercado editorial

Em 2017, o mercado editorial brasileiro produziu cerca de 430 milhões de exemplares e faturou mais de R$ 5,3 bilhões. Quase nada deste mercado contemplou escritoras ou editoras negras. 94% dos autores publicados são brancos e 72% do sexo masculino, mostra um estudo publicado em 2012 pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro, (UERJ), após analisar 258 romances publicados por três grandes editoras entre 1990 e 2004. Outros estudos confirmam esta discrepância: “60% das escritoras ‘marginais’ se declaram negras e pardas” aponta a jornalista Jessica Balbino em sua pesquisa de mestrado intitulada: “Pelas margens: vozes femininas na literatura periférica”.

Criatividade ancestral

Em 1859 a escritora maranhense Maria Firmina dos Reis publicou o romance Úrsula, considerada a primeira obra abolicionista do Brasil e um dos primeiros escritos produzidos por uma mulher brasileira. Um século depois, em 1960, o livro Quarto de Despejo, da mineira Carolina de Jesus, teve sua primeira edição de 10 mil exemplares, esgotada em uma semana. Hoje a obra já foi traduzida para 13 idiomas e pode ser encontrada em mais de 40 países.

Tais exemplos reforçam a competência da mulher negra, que apesar de todos os desafios, sempre teve entre suas aptidões, a excelência na literatura. Mas para o mercado editorial vigente, talentos como os de Firmina ou Carolina não são valorizados. E mais uma vez, temos que cavar com nossas próprias mãos as brechas para dar voz e cores a tudo o que desejamos falar.

Na vanguarda

“Fiquei incomodada ao perceber que no Brasil, um País multirracial, não havia empresas editoriais que contemplassem a cultura afro-brasileira”, diz Maria Mazarello Rodrigues, que fundou em 1981, em Belo Horizonte, MG, a Mazza Edições com o propósito de colaborar para a construção de uma sociedade baseada na ética e no respeito à diversidade. “Fiz o mestrado em editoração em Paris, e lá percebi que muitos países europeus publicavam e consumiam escritores, livros e editoras que abordavam a temática da cultura africana”, diz.

Hoje com mais de 100 livros publicados, a Mazza é uma das editoras mais antigas no Brasil especializada em literatura afro brasileira e também é a responsável pelo lançamento no mercado editorial de vários talentos da literatura afro brasileira, como a premiada escritora e poetisa mineira Conceição Evaristo, do professor Edimilson de Almeida Pereira, as escritoras Geni Guimarães e Cidinha da Silva, o poeta Luiz Silva – o Cuti e muitos outros.

Diversidade nas páginas dos livros

 “Nossa proposta é de enfrentamento. Queremos colocar no mercado literário livros excelentes feitos por mulheres negras, indígenas e trans que não encontram o espaço merecido em um segmento majoritariamente branco e masculino” afirma a escritora Jarid Arraes, 27 anos, que ao lado da editora Lizandra Magon de Almeida, lançou em São Paulo o selo Ferinas. Ambas trabalharam juntas no livro “Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis’, que vendeu mais de 5 mil exemplares em seis meses. “Mas antes do lançamento deste livro eu recebi muitos ‘nãos’ de outras editoras”, diz Jarid. “O mercado não compreende que o racismo e o machismo impedem a ampliação da base de leitores. Se somos um país diverso é preciso que esta diversidade esteja nas páginas dos livros”, afirma.

Diversidade também é a bandeira da Padê Editorial, criada em 2015, por Tatiana Nascimento, 37 anos, professora voluntária de “feminismos e teoria queer” na Universidade de Brasília (UNB) em parceria com a poeta e editora Barbara Esmênia. “A Padê é sobre pensar os furos e as brechas criadas por uma sociedade capitalista construída em cima da exploração do povo negro”, diz Tatiana. “Nós acreditamos que a literatura negra perpassa por todos os aspectos da vida humana e não se limita apenas às denúncias sobre racismo, por isso preferimos outras narrativas com outros modelos que contemplem a diáspora africana e a negritude desde a perspectiva da dissidência sexual”, segue.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp

Deixe um comentário