Mary Jackson                                         a primeira engenheira negra da NASA
A primeira engenheira negra da NASA

Mary Jackson a primeira engenheira negra da NASA

Mary Winston Jackson nasceu em Hampton, cidade de maioria negra (51% da população) no Estado da Virgínia, a 300 km de Washington, capital dos EUA.  Naquela cidade foi fundado o Instituto Hampton (hoje Universidade de Hampton) em 1868 por ativistas negros, com o propósito de promover educação de qualidade para toda geração de homens e mulheres negros e negras que foram escravizados.

Uma das alunas do Instituto foi Alberta Williams King, mãe de Martin Luther King, que estudou magistério no início do século 20. Mary W. Jackson formou-se no Instituto Hampton em 1942, com um diploma duplo em Matemática e Ciências Físicas e foi trabalhar como professora de matemática em uma escola negra no Condado de Calvert, Maryland. Também atuou como recepcionista, guarda-livros e secretária até ingressar, em 1951, na seção segregada de Computação da Área Oeste do Laboratório Aeronáutico no Langley Memorial, centro de pesquisa da NASA.

Dois anos depois, Mary foi convidada para trabalhar no túnel de pressão supersônico.  Devido ao seu talento, o engenheiro responsável Kazimierz Czarnecki sugeriu que Mary participasse de um programa de treinamento que lhe permitiria ganhar uma promoção de matemática para engenheira.  Mas o curso era ministrado na Hampton High School, exclusivo para pessoas brancas e Mary Jackson precisou de permissão especial da cidade de Hampton para acessar as aulas. Como nunca se viu diante de um desafio, Mary concluiu os cursos, ganhou a promoção e, em 1958, tornou-se a primeira engenheira negra da NASA. Nesse mesmo ano, ela foi co-autora do seu primeiro relatório, Effects of Nose Angle e Mach Number na transição de cones em velocidades supersônicas.

O primeiro reconhecimento só foi feito, em 2015, quando recebeu uma condecoração de Barack Obama. Em maio de 2016, a NASA inaugurou uma central de pesquisa que foi batizada com o seu nome

Mary Jackson iniciou sua carreira de engenharia em uma época em que mulheres engenheiras de qualquer formação eram raras; nos anos 50, ela pode muito bem ter sido a única engenheira aeronáutica negra no campo. Por quase duas décadas, ela teve uma carreira produtiva em engenharia, como autora ou coautora de uma dúzia de relatórios de pesquisa, mais focados no comportamento da camada limite de ar ao redor de aviões.

“Mary W. Jackson fazia parte de um grupo de mulheres muito importantes que ajudaram a NASA a conseguir colocar astronautas americanos no espaço. Mary nunca aceitou o status quo, ela ajudou a quebrar barreiras e abrir oportunidades para afro-americanos e mulheres no campo da engenharia e tecnologia ”, afirmou o administrador da NASA, Jim Bridenstine ao anunciar o nome da engenheira negra será dado  à sede da agência em Washington, DC.

Com o passar dos anos, as promoções diminuíram e ela ficou frustrada com a incapacidade de obter notas no nível gerencial. Então, em  1979, perto de completar 60 anos, Mary Jackson deixou a engenharia e decidiu fazer  um rebaixamento para preencher a posição aberta da Gerente de Programas da Mulher Federal de Langley. Onde passou a trabalhar para promover a ascensão profissional de outras mulheres negras. Aposentou-se em 1985.

Entre suas muitas honras, havia um Prêmio de Realização do Grupo Apollo, e foi nomeada Voluntária do Ano de Langley em 1976. Ela atuou como presidente de uma das campanhas anuais da United Way do centro, era líder de tropas escoteiras. por mais de três décadas e membro da National Technical Association (a mais antiga organização técnica afro-americana dos Estados Unidos).

A história de Mary e de suas amigas Katherine Johnson e Dorothy Vaughan foi retratada no filme Estrelas Além do Tempo (Fox Film do Brasil- 2016)

Katherine Johnson foi uma aluna genial. Formou-se com 14 nos no High School e entrou na Faculdade com 15 anos. Trabalhou durante anos como professora até entrar, em 1953, no Comité Nacional de Consultoria para Aeronáutica (NACA): agência que daria origem à NASA. Foi responsável por calcular a trajetória da expedição de Alan Shepard, em 1961. Durante a operação que colocou John Glenn na órbita da Terra, ela foi crucial para a verificação dos cálculos feitos em computador. Em 1969, contribuiu para planear a trajetória do Apollo 11.


Dorothy Vaughan iniciou a sua carreira na NACA, em 1943, também como “computador humano” onde atuou por 28 anos. Em 1949, passou a coordenar uma equipe de matemáticas formada só por mulheres. Esta cientista era especialmente genial na área da descodificação e o seu trabalho foi determinante para a implementação do Fortran (sistema de linguagem de programação criado nos anos 1950) dentro da NASA.

Deixe uma resposta