Medalha Rosa Negra

Comissão defende a história de lideres negras no quadro de medalhas da OAB
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Medalha Rosa Negra

Como forma de resgate e reverência às Rosas Negras – mulheres escravizadas que lutaram por direitos civis no século XIX no Brasil,  a OAB do Rio de Janeiro em cooperação com outros dez coletivos do movimento negro defendem a inclusão da Medalha Rosa Negra ao quadro de símbolos para premiações da entidade.

“O objetivo é dar visibilidade para a luta de inúmeras mulheres negras para  chegar onde chegamos. Quando a população entende a importância dessas mulheres passam a respeitar mais a nossa história”, diz a advogada Beatriz Silveira, vice presidente da comissão de igualdade racial da 8a subseção da OAB/RJ.

A proposta é que a medalha seja objeto de homenagem para advogados e advogadas, lideranças sociais, autoridades públicas e ativistas que estejam contribuindo para a manutenção dos direitos civis fundamentais das minorias étnicas e religiosas a fim de garantir-lhes suas identidades sociais e culturais, a possibilidade de desenvolvimento e pleno acesso à justiça.

Rosas Negras pelo Brasil 

A medalha Rosa Negra levará o nome da desembargadora Ivone Ferreira Caetano, primeira mulher negra a ocupar o cargo no Estado do Rio de Janeiro. “ Caso o projeto seja aprovado  para compor o quadro de medalhas da OAB Nacional, a Medalha Rosa Negra poderá receber a alcunha de outras heroínas negras nos demais estados do País”, diz Beatriz. 

A medalha une a vontade de onze coletivos negros do Estado, que estão representados em cada uma das pétalas da medalha Rosa Negra :CEDINE (Conselho Estadual do Direito do Negro); FEMN/ RJ (Fórum Estadual de Mulheres Negras); UNEGRO Nacional (União de Negros pela Igualdade); CEN (Coletivo de Entidades Negras); CRIOLA (Organização de defesa e promoção dos direitos das mulheres negras); ABMCJ/RJ (Associação Brasileira de Mulheres de Carreira Jurídica); AMAZOESTE/RJ (Associação das Mulheres Advogadas da Zona Oeste do Rio de Janeiro); CENARAB (Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro –Brasileira); CONEN (Coordenação Nacional de Entidade Negras); EDUCAFRO RJ (Francisco de Assis, Educação, Cidadania, Inclusão e Direitos Humanos) e  CETRAB (Centro de Tradições Afro-Brasileiras).



Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp

Este post tem um comentário

Deixe um comentário