Uma puxa a outra

Uma puxa a outra

Iniciativa promove a inclusão de mulheres negras no mercado de trabalho

O Indique Uma Preta é uma rede de apoio, empregabilidade e desenvolvimento profissional para mulheres negras que surgiu em 2016 como fruto da inconformidade de uma jovem estudante de relações públicas. “Eu era estagiária da agência de publicidade Mutato e logo percebi que não havia mulheres negras no local”, diz Daniele Mattos,25 anos, e co-fundadora do Indique Uma Preta. A percepção de Daniele não era infundada, Dados do Instituto Ethos apontam que no Brasil 37,8% dos cargos de liderança são ocupados por mulheres, mas apenas 0,4% dessas vagas são de mulheres negras .

A rede surgiu e ainda tem sua base em um grupo do Facebook e funciona como um fórum onde mulheres negras compartilham vagas de empregos com outras que estejam procurando por uma oportunidade de trabalho. “Comecei com duas amigas visando preencher uma vaga que abriu na agência onde eu trabalhava”, lembra. Mas a vaga não foi preenchida por uma mulher negra e Daniele deixou o grupo de lado. “Pensei que talvez não fosse a estratégia correta”. Para sua surpresa, meses depois Daniele percebeu que a página tinha ganhado “vida” com a participação de milhares de mulheres trocando informações sobre vagas de trabalho e relata que sua maior alegria foi ler o depoimento  de uma jovem negra ao lado de uma gestora também negra, dizendo que aquele era seu primeiro dia de trabalho, graças ao Indique Uma Preta.  “Então chamei a Amanda Abreu que  hoje é minha sócia, para me ajudar a administrar o grupo”, diz Daniele. 

uma puxa a outra
“Puxar para cima enquanto avança” era o lema das mulheres afro-americanas no século XIX

Foi a  nova sócia, Amanda, quem organizou o primeiro workshop, realizado em  fevereiro de 2018 com a especialista em planejamento e estratégia Verônica Merege. “Tivemos 15 inscrições e apareceram 6 meninas, uma delas foi a Verônica Dudiman, que se tornou a 3a. sócia”.  A história de Verônica reflete bem o perfil da mulheres que participam do grupo. Ela tinha um portfólio incrível, com ótimas qualificações, mas não conseguia uma boa vaga de emprego. A especialista em planejamento afirmou que ela estava pronta e que deveria se “aplicar” para as oportunidades na área de planejamento existentes no mercado entre as quais, uma vaga na Mutato, onde Verônica, enfim, foi admitida.

Em abril deste ano, mais um passo importante. As meninas conseguiram reunir 30 mulheres negras (foram mais de 430 inscrições) na sede do Facebook para um  Workshop de Carreiras. “Foi incrível levar tantas mulheres negras para um lugar predominantemente branco e de elite”. No evento, executivos de grandes empresas – entre os quais mulheres negras já em destaque em suas posições –  tiraram dúvidas do público sobre elaboração de portfólio, currículo e conteúdo. O próximo encontro será no escritório do Twitter. “Vamos falar de auto estima, desenvolvimento profissional, saúde mental”. 

“Temos grande respeito por aquelas que vieram antes de nós. Se as empresas não sabem como recrutar negros, nós indicamos a Empregueafro, da Patricia Santos, se a dificuldade é com a relação com o público jovem, sugerimos que conheçam o trabalho da Plano de Menina, da Vivi Duarte e sobre empreendedorismo,nossa referência é a Adriana Barbosa da Feira Preta”.

Porque a diversidade é importante!

Desde sua criação, o Indique uma Preta tem crescido exponencialmente e hoje já reúne mais de 3 mil mulheres negras que trocam experiências, serviços e muito apoio, levando adiante o slogan usado no século XIX, em clubes de mulheres negras norte-americanas: “Puxar para cima enquanto a gente avança”. “Percebi que havia criado um universo onde as mulheres negras se movimentavam e se fortaleciam”, diz. A iniciativa é fundamental, considerando que mulheres negras são 50% mais suscetíveis ao desemprego do que outros grupos, conforme dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e ainda, dados do Instituto Ethos mostram que a remuneração da mulher negra é 59% menor em comparação ao homem branco, à mulher branca e ao homem negro.    

Percebemos que precisamos “ajudar” as empresas a entenderem quais os motivos para que o quadro de funcionários tenha tenha mais mulheres negras e explicar a importância da diversidade nas empresas”. Então, Daniele, Verônica e Amanda consolidaram a consultoria.  “Não somos consultoras de Recursos Humanos, somos da comunicação, queremos ser a ponte, fazemos a conexão, damos a visibilidade e sensibilizamos as empresas com a causa étnico-racial, explicamos porque a diversidade faz bem para os negócios e porque é importante começar por mulheres negras”, diz Daniele.

Este post tem 4 comentários

  1. Avatar

    Que leitura gostosa.

  2. Avatar

    Moniquinha Costa, gostei muito dessa matéria! Leitura gostosa, informativa, completa! Adorei a forma como apresentou o conteúdo! Eu não conhecia o “indique uma preta”! Vou procurar! Grata!

    1. Mônica Costa

      E um trabalho maravilhoso dessas meninas! Estão revolucionando a forma de buscar vagas de emprego! Adorei conhecer e replicar história delas. Que venham muitos outros projetos com a mesma potência!!

Deixe uma resposta