Você tem a sensação de NÃO pertencimento?

Da ausência de lideranças negras nos ambientes corporativos à falta de interesse pela cultura afro. Saiba mais sobre a sensação de não pertencimento.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp

Pesquisa realizada pelo Instituto Guetto em parceria com a plataforma de empregos Indeed, com 245 profissionais negros, revelou que 47,8% dos entrevistados não têm a sensação de pertencimento nas empresas em que trabalham. E os motivos vão desde a ausência de lideranças negras nos ambientes corporativos até a falta de conhecimento, interesse e até mesmo respeito sobre o perfil do colega negro.

A pesquisa que foi divulgada amplamente por diversos meios de comunicação aponta que a sensação de estar sempre em estado de alerta é uma constante. Seja por ser a única (ou uma das poucas) pessoas negras no ambiente faz com que a necessidade de fazer o melhor sempre aumente. Sem contar as piadas, os olhares esquivos para o nosso cabelo black, nossas tranças, turbantes, roupas, gostos musicais, enfim, a lista é interminável.

Falar sobre nossas preferências culturais, religiosas ou afetivas também é um outro ponto outro ponto de atrito.

Quando eu atuava como jornalista vivi situações similares incontáveis vezes. Vivia repreendendo o uso do difamado da palavra “denegrir” nos textos ou rodas de conversa.  Explicando ou corrigindo o uso pejorativo de  termos religiosos que ferem o nosso sagrado, e, até dando consultoria sobre a simbologia do turbante para nós mulheres negras. Uma rotina extremamente cansativa.

Há consultorias que prezam pela inclusão antirracista e realizam um trabalho heroico nesta área, como a Empregueafro e a Indique Uma Preta, entre outras tantas iniciativas que fazem o importante papel de promover ações para a ampliação da diversidade nos ambientes corporativos.

Mas daí até a construção de uma sociedade livre de expressões preconceituosas e estereotipadas sobre a população negra é uma outra história.

Todas estas questões afetam nossa autoestima e autoconfiança e podem nos levar para um caminho tortuoso da negação: dos nossos traços, das nossas preferências culturais, da nossa religião.

Daí a importância de nos apoiarmos nos nossos, fortalecermos a nossa autoestima a partir do conhecimento da verdadeira história sobre os nossos ancestrais e usar nossos recursos financeiros para fortalecer a nossa comunidade, fomentar a construção do patrimônio entre nós para que os nossos filhos já não se sintam isolados e solitários no comando das grandes empresas que podemos construir. 

Para saber mais acompanhe também o nosso Instagram: @granapretta

E você? Se sente integrada ao seu ambiente de trabalho? Responda aqui nos comentários!

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp

Este post tem um comentário

  1. Adriana

    No âmbito do meu último emprego CLT não tive problemas e me senti sempre pertencente.
    Mas nos anteriores a este passei por situações que deixaram claro o preconceito, o pré-julgamento.
    Infelizmente isso ainda é muito frequente na nossa sociedade e no mundo corporativo.

Deixe um comentário